A|W and trends

Design ativo: seu poder em criar ambientes mais saudáveis

Design ativo: seu poder em criar ambientes mais saudáveis

By Camila Nagay

Conhece o design ativo da Athié Wohnrath? Esse conceito arquitetônico cria ambientes que promovem atividade física, ajudando a diminuir o sedentarismo. 

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), os últimos 15 anos têm revelado dados preocupantes com relação à baixa frequência de atividades físicas realizadas por crianças e  adultos no Brasil. 

Enquanto a OMS recomenda 2,5h de exercícios por semana para adultos e 1h diária para crianças (até 18 anos), dados apontam que mais de 47% dos adultos e 84% das crianças brasileiras não praticam esse tempo mínimo. O Brasil está entre os países mais sedentários do mundo, à frente dos Estados Unidos, e é o mais sedentário da América Latina.  

Os impactos do sedentarismo estão relacionados ao sobrepeso e obesidade, porém há cada vez mais evidências de que também há relações diretas entre a baixa frequência de atividades físicas e as doenças crônicas, tais como diabetes, doenças cardiovasculares, acidentes vasculares cerebrais, entre outras.  

O que é design ativo? 

O Design ativo da Athié Wohnrath é um conjunto de princípios de construção e planejamento que promovem e integram as atividades físicas na rotina diária das pessoas que ocupam os ambientes construídos. 

Em outras palavras, é o que permite à arquitetura interferir positivamente no comportamento e na qualidade de vida das pessoas, desde a escala urbana até os ambientes dentro de uma edificação.  

Principais estratégias do design ativo 

Considerando como exemplos os deslocamentos diários que fazemos de um local a outro, a utilização do carro é a forma mais sedentária de transporte, pois ficamos sentados o tempo todo. 

Portanto, quando os projetos de arquitetura promovem e facilitam o uso de bicicletas e patinetes, por exemplo, há um incentivo maior para o uso desses meios. Essas ações incluem bicicletários, vestiários, lockers e ciclofaixas para o tráfego seguro.  

Dentro de espaços como os escritórios, também é possível incorporar estratégias nos layouts e na disposição dos ambientes de forma que as pessoas possam circular pelos espaços e dessa forma estarem mais ativas fisicamente nas atividades do dia-a-dia.  

Além disso, avisos simples de incentivo como “dê preferência para o uso de escada” ou “queime calorias e não gaste energia”, instaladas nos halls dos elevadores, causam grande efeito na escolha pelo deslocamento por escadas e não por elevadores.   

Além da promoção às circulações e caminhadas inseridas nas rotinas diárias, o incentivo à redução do tempo que passamos sentados tem demonstrado ser uma das mais eficientes estratégias do design ativo.   

Aplicações do design ativo no escritório 

Pesquisas revelam que ficar sentado por 30 minutos reduz o metabolismo pela metade, a circulação sanguínea e a oxigenação cerebral diminuem e as taxas de açúcar no sangue sobem. 

A média global de tempo que passamos sentados por dia é de 7,7 horas. Em função desses resultados é que os profissionais da saúde têm usado a expressão “sitting is the new burning”, ou seja, ficar sentado é o novo fumar. 

Além da promoção pelo transporte que não seja o dos carros, incentivo às circulações dentro dos espaços construídos, também é possível aplicar as estratégias de design ativo proporcionando variedade de mobiliário. 

Em ambientes de escritório, por exemplo, as mesas ou bancadas altas com regulagem de altura permitirão que as pessoas possam trabalhar parte do dia de pé. Com isso, reduz consideravelmente o tempo em que ficam sentadas. 

A diversidade no formato das salas de reuniões, com cadeiras baixas e altas também permitem mudanças de postura ao longo do dia, que são importantes para este movimento corporal.  

Portanto, a interferência positiva do design ativo na saúde das pessoas representa a importância e o impacto da arquitetura para o bem-estar e qualidade de vida de todos que ocupam diariamente os espaços projetados e construídos pela Athié Wohnrath. 

related articles